Hipoplasia e traços de chumbo no esmalte dentário superficial: relato de 2 casos

  • Cristiane Sabino Vianna de Oliveira Domingues
  • Maciel Santos Luz
  • Rodrigo Papai
  • Melissa Thiemi Kato
Palavras-chave: Hipoplasia do esmalte dentário, Chumbo, Desmineralização

Resumo

A presença do chumbo na composição química do esmalte dentário pode gerar hipoplasias, aumentar o risco de desmineralização e cárie. A partir de um grupo original de 17 participantes, foram determinados e comparados os resultados de níveis prévios de chumbo no esmalte dentário superficial saudável e no esmalte afetado por hipoplasia em 2 casos. Foram realizadas microbiópsias ácidas in vivo de esmalte dentário superficial, analisadas por espectrometria de emissão óptica com plasma indutivamente acoplado (ICP OES) para determinação do fósforo (P) e espectrometria de absorção atômica de forno de grafite (GF AAS) para determinação do chumbo (Pb). Caso 1: O teor de P na solução ácida referente ao esmalte saudável foi 25.200 mgP/L ± 0.200 e na solução referente à hipoplasia foi 16.400 mgP/L ± 0.100. O nível de chumbo na área de esmalte saudável foi de 20.02 ppm e 18.04 ppm na área de hipoplasia. Caso 2: O teor de P na solução ácida referente ao esmalte saudável foi 35.800 mgP/L ± 0.300 e na solução referente à hipoplasia foi 2.720 mgP/L ± 0.030. O nível de chumbo na área de esmalte saudável foi de 4.37 ppm e 236.69 ppm na área de hipoplasia. Houve diferença estatisticamente significativa em relação ao teor de fósforo e profundidade da biópsia na comparação das médias entre os dois casos de hipoplasia e esmalte saudável do grupo de origem dos casos.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
09-08-2021
Como Citar
Domingues, C. S. V. de O., Luz, M. S., Papai, R., & Kato, M. T. (2021). Hipoplasia e traços de chumbo no esmalte dentário superficial: relato de 2 casos. Journal of Multidisciplinary Dentistry, 10(2), 168-74. https://doi.org/10.46875/jmd.v10i2.284
Seção
Relato de Caso Clínico